Coleção: Adega Marel

Sobre o Produtor

Localiza-se na Amareleja onde o calor é tão intenso que são famosos os recordes de temperaturas máximas constantes. Aqui também são fortes as tradições de beber um copo de vinho com os amigos para acompanhar os queijinhos e tudo o que é porco entre outras iguarias. A frescura da adega, a taberna e o vinho artesanal ajudam a pôr o papo em dia e as anedotas que fortalecem os laços de amizade, compõem grande parte do ambiente inspirador e da experiência do projeto Adega Marel. Clique aqui para consultar todo o catálogo de vinhos portugueses da região do Alentejo. Funcional no início de 2018, o projeto é muito jovem e a equipa da Adega Marel também. David Morgado é o rosto visível, jovem e sorridente do desejo e amor da família pelo vinho por quem está e sempre esteve ligado à terra e ao vinho. David, o seu pai, o Sr. Amândio Ramos e o avô Tonico, são a prova viva, cada um com o seu contributo, da comunhão entre gerações na preservação de memórias ainda vivas e, muito sobretudo, da intensa paixão pelo vinho talhado . Ao longo dos tempos, a forma de fazer vinho em talhas de barro foi passada de geração em geração e nunca foi feita de uma só forma, mudando de acordo com a tradição de cada lugar. As vasilhas de barro utilizadas são um fator diferenciador que deve ser sempre tido em conta na personalidade do vinho talhado. A Adega Marel faz os seus Vinhos "Talha" em velhas vasilhas de barro, adquiridas em toda a Amareleja, cada uma com a sua história e particularidade adquiridas ao longo dos anos de utilização. Aqui o protagonista é o avô Tonico, com o "eu faço assim", transmitindo o seu saber feito de experiência e sabedoria. Defender e proteger o vinho "Talha" significa recuperar e valorizar as vinhas velhas e as castas tradicionais e que não faz sentido esquecer ou deixar de lado as práticas ancestrais da cultura da vinha. Os vinhos da Adega Marel são o resultado do agregado de sete vinhas de tamanhos variados e um conjunto de castas mais tradicionais de várias idades juntamente com outras mais modernas. Algumas destas vinhas são totalmente destinadas ao "Vinho de Talha", nomeadamente as uvas provenientes de vinhas velhas (principalmente "pé-franco"). É o caso da vinha denominada Pura, registada em 1931, com cerca de 1,7 ha, constituída pela casta Diagalves (ou Pendura). Existe também uma vinha velha de Diagalves numa outra vinha, a Asper, aqui polvilhada com vinhas Moreto que o antigo proprietário plantou no lugar das clareiras. Também dedicado ao vinho "Talha", mas tinto, a vinha Bancaleiro com cerca de 1 hectare e mais de 20 anos, composta pelas castas Castelão, Moreto e Trincadeira. Nas restantes vinhas, uma boa diversidade de castas em solos variados são ingredientes utilizados e pensados ​​para servir os conceitos das várias gamas de vinhos da Adega Marel, incluindo mesmo algumas experimentações em curso. Manolito é um vinho de homenagem a um tio dos criadores da Adega Marel, um alentejano da fronteira, um conhecedor do mundo e um viajante apaixonado, mas profundamente marcado pelas suas origens e tradições. O vinho presta-lhe homenagem combinando o vinho produzido na talha com uvas de vinhas mais velhas, sem controlo de temperatura, fermentação com leveduras indígenas, com um vinho de técnicas contemporâneas, com uvas de vinhas jovens, produzidas em inox, com controlo de temperatura . Gama Tonico, vinho branco e tinto de Talha, produzido com castas tradicionais, das vinhas mais antigas, vindimadas à mão. Este vinho é totalmente fermentado em potes de barro velhos, todos diferentes e de várias idades e sem controlo de temperatura. Já se vê que a mão do Avô Tonico estava aqui. Quanto aos vinhos Marel, totalmente fermentados em inox, com controlo de temperatura e baseados em castas regionais, pretende ser uma testemunha fiel do seu território. A Adega Marel logo se firmou com vinhos deliciosos, numa combinação de gerações sem verdades inflexíveis mas de convicção inabalável em fazer muito bem.

4 produtos